Nelson Rodrigues disse certa vez: “Nem toda mulher gosta de apanhar, só as normais”. O comportamento humano, claro, não é uma ciência exata, mas, a julgar pelas opiniões das moças que entrevistamos (e fotografamos) para esta reportagem, o escritor estava certo. Tapinhas de amor, diz a sabedoria popular, não doem. E, ao que tudo indica, não doem mesmo: pesquisas mostram que, durante a excitação sexual, a resistência à dor nas mulheres aumenta 50% e, durante o orgasmo, chega a aumentar 100%.

Segundo a psicóloga e “sexpert” Tatiana Presser, a palmada é uma fantasia erótica de muitas mulheres que querem experimentar uma dose de submissão sexual. “Especialmente nos tempos atuais, em que as mulheres têm inúmeras responsabilidades e têm de estar sempre no controle, a cama é o lugar em que elas podem se entregar totalmente e abrir mão do poder”, explica.

“Não há nada de anormal nesse comportamento desde que ela concorde e sinta prazer”, acrescenta a sexóloga Jaqueline Brender. “Isso não significa que fora da cama ela queira ser tratada como mulher de malandro”, completa Tatiana.

Outra hipótese que explica essa fantasia feminina, segundo ela, é que no fundo algumas mulheres consideram o sexo algo sujo ou errado e inconscientemente se sentem culpadas por ter prazer. As palmadas seriam então uma “punição lúdica”. Já uma outra explicação, dessa vez científica, é que a dor provoca a liberação de substâncias opiáceas no cérebro, as quais produzem uma alta dose de endorfina. A endorfina, por sua vez, dá a sensação de prazer e diminui a dor.

Entre as amantes famosas de palmadas estão a rebolativa cantora Rihanna (“Ser submissa é muito divertido”, afirmou em recente entrevista), a atriz inglesa Liz Hurley (“Palmadas são uma brincadeirinha safada e divertida”) e a ex-panicat Juju Salimeni (“Tapinha no bumbum não machuca e é gostoso”).

A funkeira Mulher Maçã, que recentemente noticiou ter se submetido a uma “terapia tailandesa de tapas na cara para aumentar os seios”, diz ser adepta dos tabefes também entre quatro paredes. “Acho que quase toda mulher curte apanhar de leve na cama. Se sentir dominada é um fetiche que põe pimenta no sexo. É uma delícia sentir o ardido provocado por uma mão de homem no bumbum. Gosto principalmente quando estou de quatro”, conta a mulher-fruta.

A ideia não é nova. O Kama Sutra, milenar manual indiano sobre sexo, já ensinava a dar “golpes de amor” dedicando todo um capítulo à técnica sexual. “Palmadas são expressões de excitação”, diz o texto. Segundo o autor, o aristocrata indiano Vatsyayana, o amante deve introduzir as bofetadas quando quiser um resultado extremamente explosivo na transa.

pesar de a ministra da Secretaria de Políticas para Mulheres, Iriny Lopes, ter afirmado em entrevista recente que “nenhuma mulher gosta de apanhar”, até algumas das feministas mais ferrenhas se rendem ao êxtase das palmadas durante a transa sem se sentir diminuídas por isso. “O feminismo teve de parar de condenar o tapa na mulher e se obrigou a estudar o fenômeno como brincadeira erótica”, diz o filósofo Paulo Ghiraldelli Jr., autor do livro Filosofia, Amores e Companhia (Ed. Manole). “A maioria já entendeu que não há relação direta entre tapas durante o sexo e ser violento no cotidiano”, diz. Já Marcia Tiburi, escritora e ex-integrante do programa de TV Saia Justa, acha que “essa história toda tem um resquício atávico, dos homens das cavernas”. Mas a modelo Viviane Rosa, de São Paulo, é de outra opinião: “Acho um tesão levar um tapa bem dado no momento certo”.

No entanto não confunda uns tapinhas no sexo com sadomasoquismo. O tesão da fantasia feminina de levar uns tapas vem menos da dor e mais do sentimento de submissão e vulnerabilidade. “Prefiro um tapa só para criar uma ceninha. Não sou muito a fim de levar tapas para doer de verdade”, diz Tatiane Ferreira, blogueira carioca conhecida como Acid Girl. “O som da palmada é o mais excitante. Prefiro os tapas leves e barulhentos”, diz a catarinense Helen Galan, de 29 anos, operadora de suporte técnico.

ENDUREÇA SEM PERDER A TERNURA

Uma parcela de mulheres maior do que você pode imaginar gosta de levar uma palmada na cama, mas isso não quer dizer que elas queiram ficar com as marcas da paixão depois disso. A arquiteta carioca Julia Pinheiro, de 32 anos, lembra o dia em que transou pela primeira vez com um sujeito desprovido de bom senso. “Ele se empolgou e deu tapas fortes demais na minha bunda. No dia seguinte tive de ir à praia de short porque estava com o bumbum completamente vermelho”, conta rindo.

Como saber se ela gosta ou não de levar palmadas? “Vá devagar”, diz Julia. “Comece com tapinhas leves na área do bumbum, meio de brincadeira, enquanto ela ainda estiver vestida, e veja como ela reage.” Deixe que ela peça mais. “Se no início você bater muito forte, vai doer e ela vai perder o tesão”, avisa. Ainda não sabe se ela está no time das que curtem uns tabefes? Alguns sinais podem ser um termômetro, conta Acid Girl, famosa por dar conselhos de relacionamento a homens e mulheres na internet. “Com mulheres mais desbocadas, que curtem um sexo mais selvagem e falam palavrões na cama é mais fácil notar se gostam de uns tapas”, sugere a bela blogueira. “Outro sinal claro é quando ela bate em você durante a transa. Geralmente, se ela bateu é porque quer de volta.”

No começo é recomendado evitar tapas na cara, a não ser que ela peça. Além de o traseiro ter a carnosidade mais generosa e por isso ser mais gostoso de bater, para muitas mulheres apanhar no rosto tem mais a ver com insulto do que com submissão. Helen ensina: “Na empolgação, um tapa na cara pode ser bom, mas prefiro quando ele segura meu rosto entre os dedos e aperta”.

PARA ACOMPANHAR

“Não é só bater. Quando estou no clima de uma pegada mais forte quero que o cara me jogue na cama, me pegue com vontade, puxe meu cabelo”, sugere Julia Pinheiro. “As mulheres precisam da fantasia detalhada”, explica a sexpert Tatiana Presser.

Conheça os acompanhamentos favoritos das moças que gostam de apanhar:

• Puxões De Cabelo
• Mordidinhas
• Apertões
• Palavrões

Só não exagere nos golpes e lembre-se de que isso tudo é um jogo erótico que só se aplica à cama e só vale enquanto ela estiver gostando. O assunto não tem nada a ver com bater em uma mulher em qualquer outra situação
– a não ser que você queira levar uns tapas dos seus companheiros de cela em breve. Afinal, como mostraram Jean Pierre Enard e Milo Manara no livro A Arte da Palmada, “a palmada é a melhor maneira de homenagear o que a mulher tem de mais nobre, mais delicado, mais generoso: a bunda”.

APRENDA A ARTE DO TAPA DE AMOR

ONDE BATER As nádegas parecem ter sido esculpidas para levar uns tapas, e, para a alegria masculina, esse lugar é o preferido das moças. O Kama Sutra também recomenda costas e virilha.

COMO BATER Palmadas com as costas das mãos ou com a mão aberta. Usar a mão em forma de concha também é uma boa: faz barulho e não dói muito.

QUANDO BATER Durante a transa e/ou quando ela estiver quase atingindo o orgasmo. Intercale carinhos e tapas para maximizar o tesão e diminuir a dor.

Conteúdo Playboy