O lutador de MMA e ex-membro do UFC Ray Elbe foi a vítima mais recente da fratura de pênis

O lutador de MMA e ex-membro do UFC Ray Elbe foi a vítima mais recente da fratura de pênis

Homens que dão apelidos ao pênis revelam, na verdade, uma grande estima pelo seu órgão reprodutor. Agora imagine se alguma coisa de ruim acontecer com esse símbolo de masculinidade. A dor será física e psicológica. É assim que a fratura do pênis pode ser encarada.

Falar em fratura do pênis não é o termo mais correto, uma vez que o órgão não possui ossos no sentido que conhecemos em outras partes do corpo. O médico urologista Oskar Kaufmann explica que os casos acontecem “em uma relação sexual mais intempestiva, geralmente com ela por cima ou por falta de lubrificação”.

“O corpo cavernoso é envolto pela túnica albugínea; a fratura é quando acontece o rompimento desta estrutura. O sangue vaza e fica entre o órgão e a pele do paciente”, explica o médico. Os corpos cavernosos do pênis são os responsáveis pela ereção quando são cheios por sangue.

A fratura acontece quando “o pênis acaba saindo da vagina e bate no osso da bacia da mulher”, afirma outro médico urologista, o dr. José Roberto Colombo Jr. “Nessa situação [a mulher por cima] o homem tem menos controle”.

A fratura de pênis já foi até tema do seriado “Grey’s Anatomy”, quando o Dr. Mark Sloan (McSteamy), interpretado por Eric Dane, sofreu o dano no órgão enquanto fazia sexo em uma das salas do hospital. O vídeo (em inglês) está no final do texto e dá uma ideia da dor que é sentida em casos como este.

“É uma dor que ele vai lembrar bastante”, comenta Kaufmann. Colombo fala dos três sinais que identificam a fratura: “dor, som de um estalo e um edema peniano”. O paciente perde a ereção na hora e costuma procurar o pronto socorro, já que, nas palavras de Kaufmann, “o pênis bastante arroxeado”.

Se não se trata de uma fratura, como acontece com um braço, é óbvio que ninguém sairá com o pênis engessado do hospital e suspenso por uma tipoia. “O que nós fazemos é drenar a estrutura e recuperar a túnica albugínea rompida. Em casos mais graves, pode acontecer o rompimento da uretra”, diz Kaufmann.

O tratamento pode ser conservador, com o médico aguardando a redução natural do edema acompanhada da receita de drogas anti-inflamatórias. No entanto, a demora no tratamento pode trazer mais problemas ao paciente, como o risco de disfunção erétil. “Quanto antes ele procurar o médico, melhor ele vai se recuperar”, alerta Kaufmann.

“A fratura é rara, mas não é impossível de se ver. Nos atendimentos de emergência não é algo difícil de se encontrar”, comenta Colombo. O médico também fala que a cirurgia leva cerca de duas horas e o paciente, em geral, costuma ter a vida sexual normalizada depois de quatro semanas.

Na opinião dele, problemas com ereção podem vir a acontecer mais por questões psicológicas do que físicas. “Ele pode, pelo tato, sentir os pontos no pênis”, diz Colombo. Isso pode provocar um desconforto e um nervosismo na hora da prática sexual.

O urologista também lembra que não tem como se evitar a fratura de pênis. Portanto, não é preciso temer determinadas posições sexuais, mas apenas ter mais cuidados na hora que o clima realmente estiver fervendo.

Assista ao vídeo:

Reportagem publicada originalmente em 2009 no site Abril.com